Useletter




  • Para ativar a sua subscrição terá de clicar no link que será enviado pela Google para o seu email.
  • A Useletter é o nosso popular email que versa sobre áreas como a Meditação, Mindfulness, Budismo, Yoga e outras atividades de 'Integração Mente-Corpo'. Contém os próximos encontros, dicas, sugestões, Meditações Guiadas e Ferramentas Práticas e uma relação forte com a (Neuro)ciência.

   
Voltar ao início

Top Ad unit 728 × 90

.

Não tenho tempo para meditar?



POR EDITOR SPM-BE |





Não tenho tempo para meditar?

C
om todas as exigências sobre o nosso tempo, a perspectiva de retirar mais tempo do dia para dedicar à meditação pode parecer apenas mais um fardo. Mas provavelmente a razão pela qual tantas pessoas não têm tempo para meditar não é que elas estejam muito ocupadas. Todos estamos a fazer algo a cada minuto de cada dia, não importa o quão ocupadas ou ociosas sejam as nossas vidas.

A forma como preenchemos os nossos dias é simplesmente uma questão de prioridades. É apenas o bom senso de colocar uma alta prioridade na nossa sobrevivência, certificando-se de que temos comida suficiente, abrigo, roupas e cuidados médicos, e que os nossos filhos recebem a melhor educação possível. Para usar uma metáfora educacional, tarefas para realizar essas necessidades básicas são "as disciplinas obrigatórias" de acção, e todo o resto que fazemos são “disciplinas opcionais”. Que actividades opcionais preenchem os momentos dos nossos dias depende dos nossos valores.

Outra maneira de dizer isso é que, depois de cuidar das nossas necessidades básicas,
o resto do nosso tempo é dedicado ao cumprimento de desejos. Podemos imaginar a realização desses desejos como a procura da felicidade, realização ou uma vida significativa.
Tem estado à procura da felicidade por décadas? Pare por um momento e pergunte a si mesmo: Quanta satisfação a minha vida me trouxe até agora?
O que podemos controlar? Que liberdade é que nós realmente temos aqui e agora? O nosso primeiro acto de liberdade deve ser escolher as nossas prioridades sabiamente.
Muitos dos maiores pensadores ao longo da história, desde Aristóteles, passando por Santo Agostinho até ao Dalai Lama têm comentado que a busca da verdadeira felicidade é o propósito da vida. Ao fazer esta afirmação notável , eles referem-se a algo mais do que a procura de mera estimulação agradável. Eles têm em mente um bem-estar mais profundo, mais duradouro e que vem do nosso interior.

A verdadeira felicidade é um sintoma de uma mente equilibrada e saudável , assim como uma sensação de bem-estar físico é um sinal de um corpo saudável. Entre as pessoas modernas, a noção prevalente de que o sofrimento é inerente à vida, que é simplesmente a natureza humana para que possamos experimentar a frustração, depressão e ansiedade. Mas o nosso sofrimento mental, em muitas ocasiões, não serve nenhum propósito positivo. É uma aflição sem nenhum benefício para nós. É apenas um sintoma de uma mente desequilibrada.

Na nossa demanda da felicidade é vital reconhecer como poucas coisas no mundo estão sujeitas ao nosso controlo pessoal. Familiares, amigos, colegas de trabalho e estranhos comportam-se como querem, de acordo com as suas próprias ideias e objectivos. Da mesma forma, há pouco que podemos fazer para controlar a economia, as relações internacionais ou o ambiente natural. Portanto, se basearmos a nossa busca da felicidade na nossa capacidade de influenciar outras pessoas e o mundo em geral, estamos certamente fadados ao fracasso.

Encontrar o tempo

Um grande impedimento para o treino da atenção não é não ter tempo para fazê-lo. A razão pela qual não encontramos tempo para meditar é porque estamos a dedicá-lo a outras prioridades . Algumas destas prioridades são o centro das nossas necessidades básicas, mas muitas estão envolvidos em desejo, craving, no prazer sensorial. Desejar os símbolos da boa vida, a riqueza, os prazeres transitórios, materiais, físicos, os louvores e a reputação pode privar-nos da realidade de realmente viver a "boa vida". A razão de não dedicarmos mais tempo a equilibrar as nossas mentes é porque apostamos as nossas vidas na procura da felicidade que deriva dos prazeres fugazes. Os psicólogos chamam esse fenómeno de hedonic treadmill (um processo de adaptação que faz com que nos habituemos rapidamente aos prazeres alcançados e nos impele a procurar mais prazer de forma incessante).O primeiro passo para escapar dessa rotina desgastante é procurar uma visão de felicidade genuína que se baseia nos nossos próprios recursos internos, em grande parte inexplorados. É assim que começamos a cultivar o amor e a bondade, primeiro para nós mesmos, e, em seguida, para tudo e para todos .

Porto, Maia, Matosinhos, Portugal, Lisboa, España, prática, praticar, Meditação, Mindfulness, Budismo, Zafu, Saúde, Formação, Buddhism, donate, doar, saúde, bem-estar, ansiedade, depressão, yoga

Não tenho tempo para meditar? Reviewed by Prana | TM on 17:54 Rating: 5






MBSR

Treino de Resiliência ao Stress
e de Desenvolvimento Emocional


MBSR TTI

Em 2016 inicia a Formação de Instrutores de MBSR...

Formação

O meu 1º Retiro

Especialmente destinado Para quem deseja iniciar a...

Retiros

Retiros de Silêncio

Passar algum tempo em retiro é uma óptima forma...


Workshops

Fortemente práticos, são uma forma de ter...

Workshops


Mindfulness Institute
Sociedade Portuguesa de Meditação e Bem-Estar



Práticas de Integração 'Mente-Corpo'


A Sociedade Portuguesa de Meditação e Bem-Estar | Mindfulness Institute é uma associação científica, sem fins lucrativos, que procura contribuir para uma sociedade mais consciente através do estudo e da prática da Meditação.

Tem como missão contribuir para o estudo e para a prática da Meditação e outras abordagens de integração "mente- corpo", de forma científica e contemplativa, como forma para aumentar a qualidade de vida das pessoas e das comunidades, para o seu empowerment, facilitando a realização do seu pleno potencial.

ver mais


Bem-vind@s.






Últimas Entradas

*

 
Com tecnologia do Blogger.