Useletter




  • Para ativar a sua subscrição terá de clicar no link que será enviado pela Google para o seu email.
  • A Useletter é o nosso popular email que versa sobre áreas como a Meditação, Mindfulness, Budismo, Yoga e outras atividades de 'Integração Mente-Corpo'. Contém os próximos encontros, dicas, sugestões, Meditações Guiadas e Ferramentas Práticas e uma relação forte com a (Neuro)ciência.

   
Voltar ao início

Top Ad unit 728 × 90

.

Cérebro, Meditação e Silêncio Mental: Perspectiva da Neurociência - Parte 1



POR EDITOR SPM-BE |





Cérebro, Meditação e Silêncio Mental: Perspectiva da Neurociência - Parte 1


budismo mindfulness
O sistema límbico é, de um ponto de vista evolutivo, uma estrutura antiga que é encontrada em seres humanos e animais inferiores e está associada com instintos de sobrevivência e emoções...

A
ciência do cérebro tem demonstrado que certos componentes, particularmente a atenção focada, relaxamento e mudança de humor, ocorrem na maioria dos métodos de meditação e, portanto, é comum ver áreas do cérebro serem activadas durante as práticas meditativas, independentemente da técnica que esteja a ser estudada. No entanto, existem também investigações que mostram que diferentes técnicas podem envolver outras áreas do cérebro, para além das referidas áreas comuns. Além disso, a forma em que estas áreas se envolvem e se relacionam umas com as outros também podem diferir entre as técnicas. Isto, obviamente, levanta a questão sobre qual padrão de actividade cerebral é bom para nós, mau para nós ou de neutro. Até ao momento nenhum entendimento único, unificado que explique todas as diferentes abordagens para a meditação existe ou os seus diferentes efeitos sobre o cérebro. 



Duas áreas cerebrais importantes
As duas áreas importantes do cérebro que apresentam destaque na investigação da meditação são os lobos frontais, localizados na região da testa, acima das sobrancelhas e no sistema límbico, que está profundamente dentro do centro do cérebro. De modo geral, estas duas áreas funcionam e interagem para influenciar o nosso comportamento, as emoções, o pensamento e o que nós vamos fazer com a nossa vida. Por outras palavras, juntos, elas têm uma profunda influência sobre a nossa personalidade, quem somos e como nos sentimos.


Outras Zonas
As outras zonas do cérebro são os lobos parietais, a parte superior da cabeça, que lida principalmente com o corpo físico, os lobos occipitais na parte de trás da cabeça, que lidam com a visão e os lóbulos temporais, acima das orelhas, que lidam com a informação auditiva. 



Sistema Límbico
O sistema límbico é, de um ponto de vista evolutivo, uma estrutura antiga que é encontrada em seres humanos e animais inferiores e está associada com instintos de sobrevivência e com as emoções. O instinto de nutrir as nossas crianças, por exemplo, ou defender o território, são funções do sistema límbico. O sistema límbico, e as emoções em geral, têm sido estudadas por cientistas com um interesse excessivo nas emoções negativas, como medo, raiva, ansiedade e desespero. No entanto, os investigadores têm vindo recentemente a reconhecer que igualmente, se não mais, importante são as emoções positivas, como felicidade e amor pois afinal de contas são essas emoções que todos nós aspiramos alcançar. O viés em direcção à emoção negativa é, em parte, porque a neurociência surgiu a partir do estudo de animais, de doenças mentais (em vez de bem-estar mental) e, em parte , porque os cientistas parecem considerar que é mais fácil identificar os sentimentos negativos. 

 As emoções têm origem no sistema límbico, mas a natureza dessas emoções, positivas ou negativas, é fortemente influenciada pelos lobos frontais que se comunicam com o sistema límbico, através de um conjunto de importantes "conexões fronto-límbicas ". 


Lobos (Pré-)Frontais
Os lobos frontais são mais ou menos a "parte da frente" do cérebro. A parte mais importante dos quais é "o córtex pré-frontal ". Os lobos pré-frontais são considerados a parte mais recente e, portanto, mais evoluída do cérebro humano. Apenas alguns animais, os golfinhos são o melhor exemplo, ter uma versão semelhante da estrutura, embora bem mais limitada. Os nossos lobos pré-frontais parecem dar-nos a capacidade de experimentar a felicidade e prazer na vida. Eles também parecem ser responsáveis por outras qualidades humanas positivas importantes, como o idealismo, a alegria, a nossa capacidade de concentração, criatividade e nossa capacidade de pensar abstractamente. Os lobos frontais e o sistema límbico trabalham em conjunto para influenciar a nossa experiência. De forma simples, os lobos frontais interpretam as situações e os eventos e, em seguida, comunicam a interpretação através das "conexões fronto-límbicas" para o sistema límbico , que então produz a emoção “apropriada”. 



Zonas Específicas no Cérebro Unidades Funcionais
 Desde há muitos anos os investigadores do cérebro têm identificado zonas específicas no cérebro que lidam com funções específicas. Há uma área específica nos lobos temporais que lida com a audição e fala, por exemplo, e outra área nos lobos parietais que lida com as sensações físicas, e são mapeados na mesma parte do cérebro de cada pessoa. 
Extrapolando, pode-se pensar que há um único centro do cérebro que lida com cada aspecto das nossas vidas, a nossa personalidade, a mente e até mesmo a própria consciência. No entanto, o entendimento que agora está emergindo é que, enquanto certamente há centros que lidam com as funções básicas, funções mais complexas ocorrem como resultado da combinação destes diferentes centros numa unidade funcional, ou mesmo unidades paralelas, que trabalham em conjunto para criar uma experiência fluída. 



"Massa Cinzenta e Massa Branca"
 Outro desenvolvimento importante é que os cientistas começam a perceber que o córtex do cérebro, a "massa cinzenta ", que tem apenas cerca de 3 mm de espessura, e constitui uma pequena percentagem do total do cérebro, não é o único lugar onde ocorrem funções complexas e importantes. Há agora evidências emergentes para a importância das áreas profundas dentro do cérebro, as "estruturas subcorticais" ou "substância branca", como o sistema límbico. O que isto nos diz é que é bastante provável que a meditação pode realmente não desencadear apenas a activação de uma única área do cérebro, mas uma determinada rede ou várias redes de áreas, tanto na superfície do cérebro como mais profundamente, e que operam em conjunto para produzir a experiência da meditação e suas consequências benéficas. Agora pode entender o quão complexo este tipo de investigação pode tornar-se! 

Cérebro, Meditação e Silêncio Mental: Perspectiva da Neurociência - Parte 2
Cérebro, Meditação e Silêncio Mental: Perspectiva da Neurociência - Parte 1 Reviewed by Mindfulness Institute on 14:35 Rating: 5






MBSR

Treino de Resiliência ao Stress
e de Desenvolvimento Emocional


MBSR TTI

Em 2016 inicia a Formação de Instrutores de MBSR...

Formação

O meu 1º Retiro

Especialmente destinado Para quem deseja iniciar a...

Retiros

Retiros de Silêncio

Passar algum tempo em retiro é uma óptima forma...


Workshops

Fortemente práticos, são uma forma de ter...

Workshops


Mindfulness Institute
Sociedade Portuguesa de Meditação e Bem-Estar



Práticas de Integração 'Mente-Corpo'


A Sociedade Portuguesa de Meditação e Bem-Estar | Mindfulness Institute é uma associação científica, sem fins lucrativos, que procura contribuir para uma sociedade mais consciente através do estudo e da prática da Meditação.

Tem como missão contribuir para o estudo e para a prática da Meditação e outras abordagens de integração "mente- corpo", de forma científica e contemplativa, como forma para aumentar a qualidade de vida das pessoas e das comunidades, para o seu empowerment, facilitando a realização do seu pleno potencial.

ver mais


Bem-vind@s.






Últimas Entradas

*

 
Com tecnologia do Blogger.