Useletter




  • Para ativar a sua subscrição terá de clicar no link que será enviado pela Google para o seu email.
  • A Useletter é o nosso popular email que versa sobre áreas como a Meditação, Mindfulness, Budismo, Yoga e outras atividades de 'Integração Mente-Corpo'. Contém os próximos encontros, dicas, sugestões, Meditações Guiadas e Ferramentas Práticas e uma relação forte com a (Neuro)ciência.

   
Voltar ao início

Top Ad unit 728 × 90

.

Porquê Meditar II



POR EDITOR SPM-BE |





Porquê Meditar II

A
meditação não é fácil. É preciso tempo e é preciso energia. Ela também implica coragem, determinação e disciplina. Ela exige uma série de qualidades pessoais que normalmente são consideradas como desagradáveis e que tentamos evitar sempre que possível. Podemos resumir todas essas qualidades na palavra - bom senso. A meditação precisa de bom senso.


Condição humana
É certamente muito mais fácil apenas sentar-se e assistir televisão. Então, porquê preocupar-se? Porquê desperdiçar todo esse tempo e energia quando poderia estar a divertir-se? Porquê? Simples. Porque é humano. Apenas por causa do simples facto de ser humano encontra-se herdeiro de uma insatisfação inerente à vida que simplesmente não desaparece.
Pode suprimi-la a partir da sua consciência por um tempo, pode distrair-se por horas a fio, mas ela volta sempre, e geralmente quando menos espera. De repente, aparentemente do nada, senta-se, faz um balanço e perceber a sua situação real da sua vida. Aí se encontra, e de repente percebe que toda a sua vida está a passar “ao lado”. No entanto, consegue manter a aparência de uma boa vida, mas esses períodos de desespero, aqueles momentos em que sente tudo a desabar sobre si, mantém-nos para si mesmo. Interiormente está caótico, sabe disso, mas consegue escondê-lo muito bem.

No entanto, sabe que tem que haver alguma outra maneira de viver, uma melhor forma de olhar para o mundo, uma maneira de tocar a vida mais plenamente. Toca nela por acaso de quando em vez e então: consegue um bom emprego, ou apaixona-se, ganha o jogo. Por algum tempo as coisas são diferentes . A vida assume uma riqueza e clareza que faz com que todos os maus momentos e monotonia se dissolvam. Toda a textura da sua experiência muda e diz para si mesmo: "Ok, agora eu fiz/tenho isto, agora eu vou ser feliz." Mas, então, isso também desaparece, como fumo ao vento. É deixado com apenas uma memória e a vaga consciência de que algo está errado.

O mundo parece o habitual lugar de “loucos”. É uma montanha russa emocional e gasta muito do seu tempo na parte inferior da rampa, ansiando as alturas. Então, o que está errado consigo? É uma aberração?


O Monstro
Não. É apenas humano. E sofre da mesma doença que infecta todos os seres humanos. É um monstro dentro de todos nós e tem muitos braços: tensão crónica, falta de compaixão genuína pelos outros, incluindo as pessoas mais próximas a si, sentimentos bloqueados e até anestesia emocional - muitos, muitos braços. Nenhum de nós é inteiramente livre dele. Podemos negar. Tentamos reprimi-lo. Construímos toda uma cultura escondendo-nos dele, fingindo que não está lá, e distraímo-nos com metas, projectos e preocupações com estatuto. Mas nunca vai embora.

É uma corrente constante em cada pensamento e cada percepção, uma voz no fundo da mente que vai dizendo: "ainda não és bom o suficiente. Preciso ter mais. Tenho que fazer melhor. Tenho que ser melhor”. É um monstro, um monstro que se manifesta em todos os lugares em formas subtis.

A vida parece ser uma luta perpétua, um enorme esforço contra chances inacreditáveis. E o qual é a nossa solução para toda essa insatisfação? Ficamos presos no síndrome do "SE". Se eu tivesse mais dinheiro, então eu seria feliz. Se eu pudesse encontrar alguém que realmente me amasse, se eu pudesse perder 20kg, se eu tivesse uma TV maior, uma banheira de hidromassagem, e o cabelo encaracolado, um sem fim de desejos.

De onde é que todo esse lixo vem, e mais importante, o que podemos fazer com ele? Ele vem das condições das nossas próprias mentes. É um profundo, subtil e conjunto generalizado de hábitos mentais, um nó enorme que nós amarramos peça por peça, pouco a pouco. Podemos refinar a nossa consciência, desenterrar cada peça separada e trazê-las para fora, para a luz. Podemos tornar o inconsciente consciente, lentamente, uma peça de cada vez.

Mudança
A essência da nossa experiência é a mudança. A mudança é incessante . Momento a momento a vida flui e nunca é o mesma. Uma flutuação perpétua é a essência do universo perceptual. Um pensamento brota na sua cabeça e meio segundo depois ele já não existe. Entra em cena outro, e, em seguida, também desaparece. Da mesma forma, as pessoas entram na sua vida e também se vão embora. Amigos saem, parentes morrem. Às vezes ganha e outras quantas vezes “perde”. É incessante: mudança, mudança , mudança, não há dois momentos iguais. Não há nada de errado com isso. É a natureza do universo. Mas a cultura humana ensinou-nos algumas respostas estranhas a este infinito fluindo.


Categorização
Categorizamos tudo. Tentamos que tudo se encaixe num dos três esquemas mentais: bom, mau ou neutro. Em seguida, de acordo com qual caixa as colocamos, percebemos um conjunto de respostas mentais habituais fixas.

Bom
Se uma percepção particular tem sido rotulada como "bom", então tentamos parar o tempo ali. Agarramos esse particular pensamento, tentamos acariciá-lo, prendê-lo e tentamos mantê-lo o mais possível.

Mau
No outro lado da mente reside a caixa "mau." Quando percebemos algo como "mau", tentamos empurrá-lo para longe . Tentamos negá-lo, rejeitá-lo e nos livrarmos dele de qualquer maneira que pudermos. Lutamos contra a nossa própria experiência. Vamos chamar esse hábito mental de "rejeição ".

Neutro
Entre estas duas reacções reside a caixa de "neutro". Aqui vamos colocar as experiências que não são nem boas nem más . São mornas, neutras, desinteressantes. Embalamos a experiência na caixa neutra para que possamos ignorá-la e, assim, voltar a nossa atenção para onde está a ação , ou seja, o nosso círculo infinito de desejo e aversão. Portanto, esta categoria "neutra" da experiência fica roubada do seu quinhão de atenção. Vamos chamar esse hábito mental de "ignorar ."

O resultado directo de tudo esta loucura é uma corrida perpétua para lugar nenhum, sempre a correr atrás do prazer, sem parar de fugir da dor, e infinitamente ignorando uma percentagem da nossa experiência. Então perguntamos por que a vida tem um gosto tão neutro. Em última análise, este sistema não funciona.

A Meditação
A meditação é chamada de o Grande Mestre. É o fogo de limpeza que trabalha lenta mas seguramente, através da compreensão. Quanto maior for o seu entendimento, mais flexível e tolerante, mais compassivo pode ser. Torna-se num pai perfeito ou num professor ideal. Fica pronto para perdoar e esquecer. Sente amor para com os outros, porque é capaz de os compreender e entende os outros porque é capaz de se entender a si mesmo. Olhou profundamente para dentro e viu a auto-ilusão e as suas próprias falhas humanas, viu a sua própria humanidade e aprendeu a perdoar e a amar. Quando aprendeu a compaixão por si mesmo, a compaixão pelos outros é automática. Um meditador realizado que alcança uma compreensão profunda da vida, inevitavelmente, relaciona-se com o mundo com um profundo e não crítico amor.


Objectivo da Meditação
A meditação é muito semelhante ao cultivo de uma nova terra. Para fazer com um campo de uma floresta, primeiro é preciso limpar as árvores e retirar os tocos. Então é possível cultivar e fertilizar o solo, semear as semente e colher as culturas. Para cultivar a sua mente, em primeiro lugar em que limpar os vários tóxicos que estão no caminho certo, puxá-los pela raiz, de modo que eles não vão voltem a crescer. Então poderá fertilizar, bombeando energia e disciplina no solo mental. Então semear a semente e colher as suas culturas de compaixão, ética, atenção e sabedoria.

O objectivo da meditação é a transformação pessoal. A meditação muda o seu carácter por um processo de sensibilização, tornando-o profundamente consciente dos seus próprios pensamentos , palavras e acções. A sua arrogância evapora-se e o seu antagonismo seca. A sua mente torna-se ainda e calma. E sua vida suaviza . Assim, a meditação, devidamente executada, prepara-o para enfrentar os altos e baixos da existência. Reduz a sua tensão, o medo e a preocupação. A inquietação recua e paixão modera-se. As coisas começam a encaixar-se e a sua vida torna-se num fluir em vez de uma luta. Tudo isso acontece através da compreensão . A meditação aguça a sua concentração e o seu poder de pensar. A sua intuição apura-se. A precisão do seu pensamento aumenta, e, gradualmente, chega a um conhecimento directo das coisas como elas realmente são, sem preconceito e sem ilusão. Portanto, são estas razões suficientes para que se preocupar? Dificilmente. Estas são apenas promessas no papel. Há apenas uma maneira para saber se a meditação vale a pena o esforço: aprender a praticá-la de forma correcta, e praticá-la .
Veja por si mesmo!

Henepola Gunaratana

Ver mais:
Porquê meditar
Porquê meditar-Matthieu Ricard
Porquê Meditar II Reviewed by Mindfulness Institute on 13:33 Rating: 5






MBSR

Treino de Resiliência ao Stress
e de Desenvolvimento Emocional


MBSR TTI

Em 2016 inicia a Formação de Instrutores de MBSR...

Formação

O meu 1º Retiro

Especialmente destinado Para quem deseja iniciar a...

Retiros

Retiros de Silêncio

Passar algum tempo em retiro é uma óptima forma...


Workshops

Fortemente práticos, são uma forma de ter...

Workshops


Mindfulness Institute
Sociedade Portuguesa de Meditação e Bem-Estar



Práticas de Integração 'Mente-Corpo'


A Sociedade Portuguesa de Meditação e Bem-Estar | Mindfulness Institute é uma associação científica, sem fins lucrativos, que procura contribuir para uma sociedade mais consciente através do estudo e da prática da Meditação.

Tem como missão contribuir para o estudo e para a prática da Meditação e outras abordagens de integração "mente- corpo", de forma científica e contemplativa, como forma para aumentar a qualidade de vida das pessoas e das comunidades, para o seu empowerment, facilitando a realização do seu pleno potencial.

ver mais


Bem-vind@s.






Últimas Entradas

*

 
Com tecnologia do Blogger.